Discursar como Obama

Image result for Obama speech

Um dos mais celebrados oradores contemporâneos é o ex-Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama. A sua sensibilidade combinada com firme determinação, aliada a um voz grave serena fazem dele um dos mais reputados e desejados oradores.
Recentemente, o seu assessor de comunicação encarregue de escrever os seus discursos, Jon Favreau, deu uma entrevista à GQ do Reino Unido onde desvenda alguns aspectos que tornam Obama um comunicador único.

Enumeramos aqui algumas das características das  alocuções com que a oratória de Barack Obama nos conquistou.

Registo Conversacional


Os discursos são actos de comunicação que devem parecer espontâneos e pouco artificiosos. Por vezes, a formalidade é uma exigência mas o seu excesso torna a oratória algo ostentatória e pouco natural. Um discurso deve começar tal como uma boa conversa: a propósito de algum tópico e interpelando alguém acerca desse tópico.
As melhores aberturas são aqueles em que ninguém dá por isso. E nisso Obama é um mestre retórico.

Exemplo: "Sabem, disseram que este dia nunca chegaria". 
A primeira frase do discurso de vitória no Iowa, em 2008.


Humor Refinado

A política possui, frequentemente, um ambiente bafiento e árido onde os ataques são violentos e acérrimos. A inclusão de humor, quando cirurgicamente colocado no discurso, pode ajudar a equilibrar toda a agressividade da política sem que isso signifique deixar de ser contundente.


Exemplo: "Ainda no outro dia, Matt Damon - adoro o Matt Damon, gosto dele - Matt Damon disse que ele estava desapontado com o meu desempenho. Bem Matt, acabei de ver o Adjustement Bureau (em português, os Agentes do Destino, 2011) por isso, amigo, devolto-te a crítica.
Jantar de Gala dos Correspondentes da Casa Branca, 2011




Personalizar


As histórias pessoais são sempre momentos de conexão entre o auditório e o orador. Na Presidência Norte-Americana, elas remontam aos discursos de Reagan ou Clinton, por exemplo. O que funciona tão bem nestas histórias de vida é que o orador mostra os motivos que o fazem fazer aquilo que faz. As histórias são momentos de autenticidade nos quais as pessoas se podem identificar. Obama reconhecia o poder dessas histórias e utilizava-as não raramente.

Exemplo: "Ser um adolescente não é fácil. É uma altura em que nos debatemos com uma data de coisas. Quando eu estava na adolescência, que debatia-me com todo o tipo de questões acerca de quem eu era. Tinha uma mãe branca e um pai negro, e não estava com o meu pai; ele deixou-nos quando eu tinha dois anos"
Discurso "Back to School",  2010



Dramático Q.B.


Todos os discursos têm momentos de baixa intensidade e momentos de alta intensidade. A estes nós chamamos de momentos dramáticos. Todos os grandes discursos possuem drama (em maior ou em menor quantidade). O drama apimenta as ideias mas também sublinha a sua importância crucial. Frequentemente é usado pelos políticos na fase final da alocução, pouco antes de "pedirem" as palmas e de deixarem o seu slogan.

Exemplo: "Já não sou apenas um candidato. Sou o Presidente. Sei o que é enviar jovens americanos para a guerra pois tive nos braços as mães e os pais daqueles que nunca regressaram".
Discurso na Convenção Nacional Democrata, 2012

Image result for obama speech


Em síntese, Obama ensina-nos, na sua eloquência, a importância de acrescentar efeitos dramáticos ao mesmo tempo que, em determinadas circunstâncias, podemos aproveitar as nossas (genuínas) histórias de vida, e apresentar humor refinado. Tudo isto pode ser envolvido num registo conversacional, em que fazemos dos membros do auditório  nossos interlocutores directos.



Retoricamente, boas apresentações!



Mensagens populares deste blogue

Quantas palavras por minuto profere nos seus discursos?

"Obrigado pela Vossa atenção"- Como Concluir o discurso sem ter que o dizer

Grandes Discursos: We Shall Fight on the Beaches de Winston Churchill