Cícero: "Para mim a eloquência que não causa admiração não é eloquência"

Image result for cicero
Numa das suas cartas a Bruto, em 48 A.C, Marco Túlio Cícero, um dos grandes estadistas e oradores da antiguidade, confessava: Nam eloquentiam quae admirationem non habet nullam judico, isto é: "Para mim a eloquência que não causa admiração não é eloquência".

Pode parecer uma afirmação banal mas encerra a essência da competência de discursar: a verdadeira e competente eloquência causa impacto no auditório. Não provoca apenas deleite como usa o seu carácter agradável para persuadir! A admiração é, assim, a consequência do emprego dessa ferramenta indispensável da oratória que é a eloquência.

A habilidade de convencer alguém através das palavras é uma das mais acarinhadas capacidades, estimada pelas mais distintas personalidades, ao longo do tempo.

Cícero, advogado e Cônsul Romano (63 A.C), lembra-nos o quanto um discurso expressivo e eloquente leva à admiração do orador e que esse assombro positivo o projecta na mente do auditório como sendo digno da sua atenção.

Cícero conciliou os estilos Ático e Asiático da oratória tendo publicado duas grandes obras sobre Retórica e Oratória (grega e romana): De Oratore (55 A.C) e Brutus (46 A.C).

Image result for cicero



Retoricamente, Bons Discursos!

Mensagens populares deste blogue

Grandes Discursos: We Shall Fight on the Beaches de Winston Churchill

O Método de loci- uma das mais eficazes técnicas de memorização

Quer ser Eloquente? Só tem de dar um beijo...