Grandes Discursos: We Shall Fight on the Beaches de Winston Churchill


A 4 de Junho de 1940, Winston Churchill, primeiro-ministro do Reino Unido, proferiu, perante a Câmara dos Comuns, do Parlamento do Reino Unido, o famoso discurso "We Shall Fight on the Beaches" traduzido, em português, como "Lutaremos nas Praias".

Este foi um dos três grandes discursos de Churchill durante a invasão de França e dos Países Baixos pela Alemanha Nazi durante a II Guerra Mundial: We Shall Fight on the Beaches" foi precedido de um outro discurso famoso, Blood, toil, tears, and sweat (13 de Maio de 1940) e antecedeu This was their finest hour (18 de Junho de 1940).

Image result for we shall fight on beaches
http://micunplugged.blogspot.pt/2015/04/we-shall-fight-on-beaches-winston.html


We Shall Fight on the Beaches surgiu num período imediatamente seguinte à evacuação das tropas britânicas de Dunkirk e antes da derrota final e rendição que aconteceria mais tarde nesse mês.No contexto da recente invasão da Alemanha, Churchill elogia a nação exortando à defesa - até à morte - do Reino Unido. Assume uma determinação ímpar nessa tarefa com vista à libertação do jugo Nazi.

O discurso causou um enorme alvoroço por entre os deputados pela elevada capacidade retórica demonstrada. É um dos mais citados discursos que se destaca pelo intenso tom emocional do apelo patriótico, transmitida por vívidas descrições e um vocabulário cuidado.


Um dos aspectos mais marcantes do discurso é que Churchill não cede a um instinto popular de tentar ganhar o apoio da multidão através de falsas esperanças. Churchill apresenta uma reflexão factual e sensata da realidade dando ao público novas informações que providenciam o contexto necessário para compreender a situação sensível que o país atravessava. 
Mesmo arriscando deprimir os seus cidadãos, ele prefere apostar na sua credibilidade enquanto orador, e enquanto líder do Reino Unido. É o seu Ethos  - autoridade, respeito, credibilidade - que, na verdade, sustenta o lado emocional (ligado ao Pathos) do seu discurso.

Esta é uma lição que todos os oradores devem retirar.

Factos Curiosos:
  • Winston Churchill lutava contra a gaguez: isso é particularmente evidente quando pronunciava a letra "s". No entanto isso não o impediu de escrever discursos fortes e de ser um dos mais respeitados orados do séc. XX.
  • O discurso demorou cerca de 35 minutos (das 15h40 às 16h14).
  • Vieram lágrimas aos olhos de alguns membros da Câmara dos Comuns.
  • Contudo, a primeira reacção da Opinião Pública não foi entusiástica nem empolgou os cidadãos. 


Image result for churchill we fight beaches



Porque é um Grande Discurso:

  • Comunicação de união, patriotismo e, sobretudo, de superação das adversidades que teve um enorme impacto na mobilização das tropas e na organização da resistência.
  • Ethos e Pathos coordenados e cuidadosamente complementados.
  • Frases longas acumulam tensão e conduzem ao desfecho (clímax) do discurso - o apelo às armas e à não rendição na defesa da liberdade.
  • O uso da Anáfora (Lutaremos em França; Lutaremos nos mares; Lutaremos com confiança)  confere ritmo mas também intensidade às ideias.
  • A obstinação do orador é concretizada em imagens mentais sugestivas e com que qualquer pessoa se pode identificar (os mares, os campos, as praias, as nossas ruas...).
  • A anáfora desenvolve-se e culmina na ideia central do discurso: "nunca nos renderemos". Tratando-se do epílogo do discurso, este aspecto é ainda mais importante porque recorda, de forma imediata e concreta, a ideia central que o auditório deve levar deste discurso.
  • O uso de verbos contribui para o apelo à acção do auditório ("defendemos", "lutaremos") alcançando uma dimensão motivacional e inspiracional do discurso que levantou o ânimo dos Franceses e dos Aliados.

Excerto de "We Shall Fight on the Beaches":

(Usamos a tradução divulgada pela Wikipedia em:https://pt.wikipedia.org/wiki/We_Shall_Fight_on_the_Beaches. Esta não é certamente a melhor tradução mas permite-nos utilizá-la sem ferir os direitos de autor. O português é sul-americano)

"Voltando novamente, e desta vez mais geralmente, à questão da invasão, eu observaria que nunca houve um período em todos estes longos séculos dos quais nos vangloriamos em que uma garantia absoluta contra a invasão, ainda menos contra ataques sérios, pôde ser dada ao nosso povo. Nos dias de Napoleão, dos quais eu estava  agora mesmo, o mesmo vento que teria carregado seus transportes através do Canal poderia ter afastado a frota bloqueante. Sempre houve a chance, e é esta chance que excitou e enganou as imaginações de muitos tiranos continentais. Muitos são os contos que são contados. Nós estamos seguros de que novos métodos serão adotados, e quando nós virmos a originalidade da malícia, a ingenuidade da agressão, que nosso inimigo demonstra, nós podemos certamente nos preparar para cada tipo de novo estratagema e cada tipo de manobra brutal e traiçoeira. Eu acho que nenhuma ideia é tão estranha que não deva ser considerada e vista como uma busca, mas ao mesmo tempo, eu tenho esperança, com um olho firme. Nós nunca devemos esquecer as certezas sólidas do poder marítimo e aquelas que pertencem ao poder aéreo se ele puder ser exercido localmente.
Eu próprio tenho plena confiança que se todos cumprirem seus deveres, se nada for negligenciado, e se as melhores providências forem tomadas, como está sendo feito, deveremos nos provar capazes mais uma vez de defender a nossa ilha natal, de superar a tempestade da guerra, e de sobreviver à ameaça de tirania, se necessário por anos, se necessário sozinhos. De qualquer maneira, isso é o que tentaremos fazer. Esta é a determinação do Governo de Sua Majestade - de cada homem dele. Esta é a vontade do Parlamento e da nação. O Império Britânico e a República Francesa, unidos em sua causa e em sua necessidade, defenderá até à morte seu solo nativo, auxiliando um ao outro como bons camaradas até o máximo de sua força.

Muito embora grandes extensões da Europa e antigos e famosos Estados tenham caído ou possam cair nos punhos da Gestapo e de todo o odioso aparato do domínio nazista, nós não devemos enfraquecer ou fracassar. Iremos até ao fim. Lutaremos em França. Lutaremos nos mares e oceanos, lutaremos com confiança crescente e força crescente no ar, defenderemos nossa ilha, qualquer que seja o custo. Lutaremos nas praias, lutaremos nos terrenos de desembarque, lutaremos nos campos e nas ruas, lutaremos nas colinas; nunca nos renderemos, e se, o que eu não acredito nem por um momento, esta ilha, ou uma grande porção dela fosse subjugada e passasse fome, então nosso Império de além-mar, armado e guardado pela Frota Britânica, prosseguiria com a luta, até que, na boa hora de Deus, o Novo Mundo, com toda a sua força e poder, daria um passo em frente para o resgate e libertação do Velho".

--------

A Gravação Audio do Discurso foi disponibilizada pelo The Guardian, aqui.
O texto integral em Inglês pode ser consultado aqui
Para uma análise académica deste discurso (artigo científico) ir aqui


Boa leitura!

Mensagens populares deste blogue

Quantas palavras por minuto profere nos seus discursos?

O Método de loci- uma das mais eficazes técnicas de memorização