Públicos há muitos: como se adaptar a diferentes auditórios


Image result for different audiences speech


Uma das mais importantes características de um bom orador é a sua capacidade de se adequar àquilo que as pessoas esperam dele. A maior ou menor facilidade em adaptar-se ao auditório irá determinar quão bem a sua mensagem será recebida.

Seja um auditório composto por executivos, por munícipes ou por crianças de uma escola primária, o orador deve criar e apresentar especificamente o seu discurso de forma personalizada.


Algumas pessoas creem que os discursos são como as luvas. As luvas vêem geralmente num tamanho único que se adapta a todos os tipos de mão. Contudo, a Retórica não se baseia em técnicas padronizadas ou fórmulas universais. O que os grandes oradores sabem é que cada auditório possui as suas singularidades e expectativas. Por isso, eles preocupam-se em desenhar um discurso e uma comunicação perfeitamente adaptadas a esse auditório.




Atributos do Auditório a contemplar:

Expectativas acerca da comunicação- O que esperam de si, enquanto orador?

Conhecimento do assunto em questão- Dominam aprofundadamente o tópico que lhes apresenta?

Atitude - Existe a tendência prévia de apoiar ou resistir ao seu tópico? Repare que é muito diferente vender um hambúrguer a quem está com fome do que a quem acabou de tomar a sua refeição.

Tamanho do Auditório - Discursar perante 10 pessoas beneficia de uma estilo conversacional que se torna mais difícil de pôr em prática perante um auditório de 10.000 pessoas!

Características Socio-Económicas - Qual a idade, género, estilo de vida, educação ou profissão de quem escuta o seu discurso?

Contexto - Trata-se de uma comemoração oficial, um trabalho no escritório ou um discurso inserido num colóquio? Em cada caso, a tipologia discursiva será diferente, assim como o tempo disponível para o realizar.

Related image

Como Preparar o Discurso à medida


Auditórios favoráveis (ex: comícios políticos, assembleias associativas, grupos de fãs, etc)

  • Enfâse nos aspectos emocionais que ligam orador e auditório (Pathos) lembrando a história, desafios e triunfos.
  • Apelos emocionais a valores comuns.
  • Apelo à acção (tal como Demóstenes no Terceiro Discurso Contra Filipe).
  • Referências a experiências colectivas partilhadas
  • Interpelação do Auditório criando oportunidades para ele intervir

Auditórios desfavoráveis (ex: vendas comerciais)

  • Uso da credibilidade do orador (Ethos) procurando constituir-se como uma autoridade no assunto. Frequentemente recorrendo a testemunhas, peritos ou especialistas.
  • Argumentação exaustiva apresentando provas, factos e evidências diversas que apoiem a tese defendida.
  • Raciocínios de ordem mais Racional (Logos).
  • O importante não é fazer o auditório mudar de opinião imediatamente mas construir uma influência duradoura que possa fazê-lo considerar a proposta do orador.
Image result for speech audience


O importante a reter é que cada auditório é um auditório e que poderá reagir de forma completamente inesperada. Estas são algumas sugestões que podem orientar o comportamento do orador, tanto ao nível da redacção do seu discurso, como da postura  adoptar ao longo da sua exposição argumentativa.


Retoricamente, bons discursos!


Mensagens populares deste blogue

Quantas palavras por minuto profere nos seus discursos?

Grandes Discursos: We Shall Fight on the Beaches de Winston Churchill

O Método de loci- uma das mais eficazes técnicas de memorização